sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Wesoły Świąt

Hoje fizémos muita coisa pela última vez em 2009. Na aula de polaco cantámos músicas de Natal (imensamente populares por aqui) e depois fomos a casa só para ir buscar a máquina fotográfica que eu me tinha esquecido. De volta ao centro tirou-se umas fotografiazitas, brincou-se com a neve e compraram-se uns presentes de última hora. Como estávamos literalmente a congelar, ficámos lá pouco tempo e fomos para casa.
Low temperature. O medidor da Patrícia a não aguentar o frio lol.
Aí começámos a levantar o estaminé e lá mais prá noite, enquanto eu lavava a loiça e fazia um arroz com quase tudo o que apanhei à frente (para não ficar aqui a estragar) a Patrícia lavava o chão que tinha ficado todo enlameado por causa da neve presa nas botas.
Amanhã chegamos aí às 21:40 por isso até já pessoal! ;)
O blog vai portanto fazer uma pausa e continua dia 6 de Janeiro, quando regressarmos à Polska.
Miejsce Polska
Antes de nos despedirmos gostavamos apenas de vos deixar uma das mais populares tradições de Natal polacas. Na noite da consoada, antes do jantar partilham-se umas hóstias especiais, os Oplatek. Pelo que conseguimos apurar do jantar de ontem (onde também houve partilha), cada pessoa tem um oplatek consigo e partilha o seu com os outros, desejando-lhe um Feliz Natal. Ou seja, a pessoa vem, parte um bocado do oplatek do outro que ofereceu e come! É uma tradição muito engraçada! =)

Bacalhau à braz

Finalmente pude ver os dados do sucesso reprodutor! Numa folha de excel, de forma bastante completa, estava o número de ovos, o volume, em que ninho estavam, enfim, informação que chegue! Agora depois de analizar aquilo tudo pareceu que não havia relação entre o número de ovos e quanto os machos cantam, ou seja, parece que as fêmeas estão-se nas tintas para o que os machos cantam ou o que andam para ali a dizer.... Mas por outro lado, acho que a análise não está a ser bem feita porque há machos que por terem ovos espalhados por vários ninhos, estão a ter mais importância que os que os têm todos num só ninho. Ou seja, ainda não está nada concluído mas alguma coisa há-de sair daqui! Se é boa que chegue para um paper ou se não serve para nada, logo se vê!
Enquanto eu estava à volta com a estatística, a Patrícia foi ao hipermercado arranjar os ingredientes que faltavam para nós fazermos o bacalhau à braz que tínhamos prometido.
Quando cheguei a casa vi que a coisa ainda estava atrasada porque não encontrou as batatas palha e por isso teve que cortar batatas em tiras muito fininhas. Isto demora o seu tempo claro mas o que demora mesmo muito tempo é a parte do fritar!! A treta do fogão demora à vontade uma hora para fritar umas batatas! Bem, depois seguimos a receita bem ou mal e tinhamos o nosso bacalhau. Por cima levou salsa e azeitonas pretas (espanholas mas o sabor era praticamente igual às nossas).
Metemos o tacho envolto em sacos de plástico na mochila mas não sem antes devolvermos o favor ao "senhor da palestina" (chamamos-lhe assim porque o nome dele é estranho e difícil de pronunciar :P). Anteriormente ele tinha-nos oferecido um pouco de uma bela carnixa que tinha feito no forno da cozinha por isso demos-lhe um pouco do nosso traditional portuguese dish. Ficou muito agradecido claro.
Chegámos uma hora atrasados à festa (perdemos a parte de cantar as músicas de Natal), mas a verdade é que a certa altura a Violetta fez tanta publicidade ao nosso bacalhau (que tinha sido feito mesmo por portugueses, etc etc) que a certa altura toda a gente estava a fazer fila para o provar!! Em minutos desapareceu tudo e quando lá voltei para ver como estava o tacho até havia malta a tentar rapar o tacho com a colher lol. A verdade é que nos fartámos de receber elogios eheh
Miejsce Polska
No dia em que a professora de polaco nos deu esta música na aula não pusémos aqui porque não sabiamos como o fazer mas agora que já sabemos, aqui fica:
Pensamento do Dia: "O kuduro bate forte na tuga" Disse-nos o Daniel, um angolano muito fixe que conhecemos lá na festa. Se não perceberam, ele estava a dizer que se ouve muito kuduro em Portugal lol. E aproveitando a deixa, aqui fica uma música de kuduro a sério!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Análise de dados? Qual análise de dados?

Hoje já está um frio razoável e dizem que vai continuar a descer até aos -12ºC até Sábado :P
Fiquei de me encontrar com a Joanna para ela me ajudar com a análise estatística dos dados (coisa que eu sei muito menos do que devia saber). A princípio tivémos problemas em encontrar o único computador que tem o programa Statistica instalado na vertão inglesa mas depois do encontrar e de falarmos um pouco sobre o que é que eu poderia realmente fazer com os dados, vi que ela se tinha esquecido da ideia inicial que sempre foi analisar as canções de melro para mais tarde as poder relacioar com o sucesso reprodutor! Quando eu a relembrei ela disse que podiamos ir na hora falar com o Rafal para ele me dar finalmente os dados!! Nunca pensei que fosse acontecer tão facilmente porque eles pareciam que estavam a fazer os possíveis por não me darem os dados, vá-se lá saber porquê! Então fomos lá perguntar-lhe e depois de muito falarem em polaco lá disseram que talvez amanhã esteja tudo nos conformes para me darem porque ao que parece os dados estão no formato "confuso".
Então amanhã vamos os dois a uma palestra sobre tipos de esperma e estratégias adoptadas pelo esperma (não fazia a mais pura ideia de nada disto por isso estou muito curioso para aprender os segredos do esperma!) e depois vou ter com a Joanna para analizarmos tudo.
Ao jantar fizémos um belo de um arroz com cogumelos e cebola e uma omelete de atum, com cebola também.
Sou da opinião que estamos a ficar especialistas em desenrrascar comida bastante boa que ao mesmo tempo dê pouco trabalho!

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Decidindo os prós e os contras

Foi um dia simples. A aula de polaco correu bem porque foi dada pela outra professora, embora as dificuldades anteriores se mantenham! Após a aula fomos beber um chocolate-quente a uma loja no centro que só vende coisas achocolatadas, a E. Wedel. Foi um chocolate-quente com sabor a menta para mim e um com sabor a canela para a Patrícia e desta vez foi ela que escolheu bem porque a minha combinação era estranha. Depois de passearmos um pouco pelo centro, regressámos à base e foi assim o nosso dia.

Uma senhora que moldava vidro para formar bolas de natal.

As ditas bolas de vidro depois de serem pintadas à mão

Pensamento do Dia: Enquanto estávamos na E.Wedel finalmente decidi comprar um telescópio daqueles para ver a passarada e/ou tirar fotografias pelo método digiscoping. Estive lá com a Patrícia a tentar ver os pontos bons e os maus e percebi que, além do dinheiro que é muito, o que mais me afastava é o receio de assumir um compromisso. É que comprar uma coisa daquelas e não a usar com alguma frequência não faz qualquer sentido por isso teria que criar uma rotina (que não tenho) de ir observar aves. Como sei que só conseguirei aprender realmente a arte de identificar a passarada se passar muitas e longas horas no campo a observá-las e como sei que também as quero fotografar, percebi que apesar de ter medo de perder tempo e alguma liberdade, era a decisão certa a tomar. No final de contas, há sempre tempo para fazer tudo e talvez os meus Domingos não sejam simplesmente dias em que espero que o tempo passe.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Massacre na aula de polaco

Ficámos os dois em casa cada um a trabalhar no seu computador e o ponto alto do dia foi mesmo quando chegámos à aula de polaco. Ora, nem eu nem a Patrícia estudámos no fim-de-semana e não estávamos minimamente preparados para o que havia de vir... Mal entramos na sala a Kasia vira-se e pergunta-nos (em polaco claro está) como é que foi o nosso dia!! Bem, claro que não saíu nada de jeito... logo a seguir pergunta a conjugação de uns verbos irregulares completamente malucos! Enfim, foi tão mau que ela até disse que não fazia mais perguntas e para nós estudarmos para amanhã...
O fuzilamento continuou pela aula a dentro porque demos hoje os pronomes pessoais que são aplicados em sítios na frase que não parecem fazer falta nenhuma e não conseguímos perceber nada dos exercícios! Do dia para noite parece que já não percebemos sequer o que as frases dizem ...
Quando saímos da aula o chão estava branco da neve "molha-parvos" (cai com flocos pequenios que só se notam os efeitos ao fim de bastante tempo) que tinha caído entretanto e para recuperar o ego, fomos a uma cafetaria comer coisas boas.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Saída de Campo de Ornitologia

Sexta-feira
De manhã estávamos na aula com a Ewa e a certa altura ela passa-nos uns folhetos de uma pizzaria para as mãos. Disse-nos para escolhermos os ingredientes e aí pensámos que ela íamos fazer mais um jogo, tão típico dela, para aprendermos os ingredientes e afins mas afinal era mesmo para pedirmos uma pizza ali na aula! Tirámos à sorte e quem ficou de pedir a pizza foi a Anabelle e assim foi, pediu uma pizza que pouco depois vou entregue ali mesmo na sala! Todos comemos a pizza apesar de ainda ser um pouco cedo para almoço e depois da aula terminada fomos para casa fazer os preparativos para o fim-de-semana que se avizinhava.
Lá pelas 16 estávamos a chegar à estação de comboios onde nos encontrámos com o Kuba (o bacano que me tinha convidado por email e escreveu a dizer os pormenores). Com ele estava um grupo de uns 10 marmanjos e marmanjas e uns tripés e telescópios montados no chão que assinalavam bem a sua presença e intenção. Pouco depois já estávamos no comboio a meter conversa com o Kuba e uma senhora polaca que se fartava de viajar para a Tailândia e que nos contou um bocadinho da sua vida. A viagem inteira só falámos com o Kuba porque todos os outros se sentaram noutros bancos mais longe mas mesmo assim passou-se depressa e bem.
Já no centro desportivo onde íamos passar as duas noites, fiquei com a Patrícia e mais dois bacanos, um chamado Piotr e outro Erasmus :P
Depois do jantar fomos ver uma apresentação que o Sławek fez sobre aves aquáticas que poderíamos ver no dia seguinte. Aí fiquei a saber que o Kuba sabia os nomes científicos e praticamente quase tudo o que havia para saber sobre aves!
A noite não se passou bem porque o nosso querido Piotr bebeu tanta cerveja durante a apresentação que se fartou de levantar para ir vomitar. A cama também não era muito famosa e fartei-me de tossir por causa do pó mas paciência!
Sábado
Sábado de manhã pusémo-nos em marcha para o campo por volta das 8h30/9h, depois do pequeno almoço e de um cházinho para aquecer! Nevou durante todo o dia, apesar de pouco, mas não fomos apanhados de surpresa! Aqui quando dizem que vai nevar nunca se enganam! Andámos a pé durante algum tempo, e fomos ter a um grande lago artificial que serve para abastecer a população local. Nesse lago deveriamos encontrar imensas aves, mas infelizmente não vimos muita variedade! O que nos deixou fascinados foi a quantidade de vestígios deixados por castores, mesmo ali ao pé (infelizmente não vimos nenhum porque eles são muito envergonhados, mas vimos tocas e vestígios frescos!).
Troncos de árvore roídos pelos castores.
O caminho estava todo esburacado pelos javalis.
O pior de todo o fim-de-semana foi mesmo o frio! Estava a nevar, o que significa que estavam temperaturas negativas (não sabemos quanto), e como para observar aves temos que estar parados, perdiamos muito calor, e ficávamos com frio!
Depois do lago entrámos numa floresta a caminho de casa, e deu para ver alguns passeriformes. As aves que gostei mais de ver não foram as que encontrámos no lago, mas sim no caminho até lá, muitos Dom Fafe e um pica-pau bastante perto!
Nenhuma das fotos é minha.
A ideia foi só mostrar os passarocos para ser mais do que um nome.
No fim da saída de campo, fomos até um restaurante “almoçar” (por volta da 15h) com o Kuba, o Piotr, o Sławek e um botânico levado da breca que não chegámos a saber o nome! (oops!). Depois voltámos para o centro desportivo, e à noite vimos 2 documentários sobre aves (um episódio da “Vida das aves” do David Attenborough e um documentário polaco sobre anilhagem de aves durante a migração de aves no mar báltico). No final do dia percebemos que o Kuba deve ser sobre-dotado, porque nunca se enganava no nome das espécies, e além disso conhecia tanto aves, como plantas, como mamíferos, mamíferos marinhos e peixes pelo nome científico!!
Domingo
Saímos mais tarde para o campo e antes disso arrumámos a tralha toda. O Sławek conseguiu arranjar uma camioneta que nos levasse ao local, caso contrário teríamos de caminhar durante cerca de 2horas até ao local de observação. Quando chegámos ao local, tivémos de ir a pé por entre um descampado e depois uma floresta até alcançarmos um outro lago enorme. Hoje tivémos mais sorte que ontem, conseguimos observar mais espécies, mas apesar de tudo eles ficaram bastante desiludidos, pois no ano passado fizeram o mesmo percurso e conseguiram observar muito mais espécies! De qualquer das formas, nós gostámos muito, apesar do frio!
Miejsce Polska
Não é bem um Miejsce Polska, é só uma curiosidade! Quando nos apresentámos ao pessoal, eles diziam o nome deles traduzido para inglês! Aconteceu-nos 3 vezes! Por exemplo, o Piotr disse que se chamava Peter, a Katarzyna (ou Kasia) dizia que se chamava Kate e o Mateusz apresentou-se como Mathew! Na verdade, há um colega lá do laboratório que se chama Grzegorz e que disse que se chamava Gregory... Só agora é que associei!
Pensamento do Dia:
Queixámo-nos imenso do frio, principalmente quando estava ventinho. Pois imaginem que nos foram convidar para uma saída de campo em Fevereiro (!!) para o mar Báltico (!!!!)!! Ou seja, ir apanhar com a nortada num dos meses mais frios do Inverno polaco! Pois é... Por um lado adorávamos ir, por outro achamos que não temos condições para sobreviver ao frio durante a estadia! O que nos aconselham?

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

E mais um dia de trabalho =P

O dia foi bastante cansativo... Não é que pesar bolbinhos seja um trabalho pesado =P é que o laboratório faz um barulho contínuo que é de loucos! E para juntar a festa temo-nos deitado tarde, por isso pesar bolbinhos tem sido algo louco! A parte boa é que consegui acabá-los todos hoje! Amanhã vamos para uma saída de campo, apanhamos o comboio por volta das 16h, e por isso só voltamos a dar novidades lá para domingo à noite! =)
Até lá!
Pensamento do Dia:
Isto de estar fora do nosso querido Portugal durante tanto tempo trás saudades. No outro dia até nos pusémos a ouvir fados da nossa Amália e entre muitos, gostamos deste:
E já agora aproveito a deixa para partilhar uma conversa que tivémos no outro dia. O tema era, "porque é que Portugal é perfeito".
  • Não temos animais venenosos ou comedores de Homens.
  • Não temos furacões ou cataclismos de maior gravidade.
  • Não sofremos invasões militares e o nosso país está inalterado desde a sua criação. (excluindo as colónias também consideradas parte do império)
  • Somos um dos países mais ricos do mundo. (acreditem ou não, por mais que nós nos gostemos de queixar, há imensos países que estão muitíssimo piores que nós!)
  • O nosso clima é simplesmente perfeito! Verões quentes, ideais para a praia mas não demasiado quentes que não se pode sair à rua e os Invernos não são nada de especial.
  • As nossas paisagens são belíssimas, muito variadas com montanhas, planícies, há sempre algo para agradar a toda a gente e temos praias para todos os gostos.
  • A nossa comida é muita boa! :P Viva os doces e o bacalhau! (que se está a extinguir por culpa nossa lol)
  • Apesar de tudo, somos um país com uma mente aberta e sem muito racismo, graças à nossa história de "misturadas".

Certamente que vocês conseguem lembrar-se de ainda mais razões se tentarem ver o lado positivo em vez do lado negativo, que normalmente é muito mais fácil de ver.

Concluíndo, somos um povo feliz que vive num país (quase) perfeito!! =)

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Um dia como os outros

Hoje o dia foi simples. A Patrícia na faculdade a pesar bolbinhos e eu às voltas com as canções de melro. Não se passou nada de mais e não apareceu ninguém fixe para metermos conversa enquanto fazíamos o jantar que já agora foi vegie.
Pensamento do Dia: Ontem ou lá o que foi, confrontei-me com o porque é que não sou vegetariano (ou até mesmo vegan, que para quem não sabe são os que excluem qualquer produto de origem animal, ou seja, por exemplo, leite e ovos estão de fora). Eu considero-me um apoiante do bem-estar animal e gosto de todos os animais no geral por isso só seria natural que não os quisesse comer! Eu não sou especial apreciador de comida embora goste de alguns pratos com carne ou peixe mas penso que o que me afasta do vegetarianismo é a sensação, talvez falsa, de que o vegetarianismo é uma espécie de contrato vitalício que se assina. Do género:
  • A partir de hoje terás que ter mais trabalho e nunca mais vais poder comer "normalmente" com os teus amigos num restaurante qualquer.
  • Em casa terás que cozinhar para ti comida "especial".

Penso que se houvesse mais facilidade em ter acesso a comida vegetariana fora de casa, haveriam mais apoiantes que só não se "convertem" por causa destes pequenos incómodos. Imaginem lá um resturante de fast food, qual Mac Donalds que servisse ao cliente esfomeado hambúrgueres de soja que sabiam a hambúrgueres de carne. Acho que ninguém se ía importar e seria muito mais fácil vender a ideia (que é muito verdade!) de que existem inumeras vantagens ao escolher comida vegetariana face à outra.

Este foi o meu pensamento rudimentar. Que acham vocês?

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Como pedir uma pizza em polaco

Boas notícias! O João está melhor =) E a Katarzyna hoje pediu-me desculpas porque confundiu o meu projecto com outro (ela orienta imensos projectos e todos de micorrizas, é compreensível!), ou seja não tenho nada que fazer o dobro do que fiz, tenho apenas uma nova tarefa que é pesar os bolbinhos (têm à volta de 1cm de diâmetro! lol).

Hoje na aula de polaco aprendemos algo essencial! Ora vejam:

video

=D Hehe!! Missão cumprida!!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Surpresas de ultima hora

Hoje fui para a faculdade sozinha. O João está doente... Esperemos que melhore entretanto! Enquanto estive na faculdade, após idas ao gabinete da Katarzyna, de conversas e confusões... Acabou por concluir que o meu trabalho afinal não está como deveria estar, provavelmente por má comunicação ou porque alguém me deu a informação incorrecta! Resumidamente, afinal fiz metade do trabalho que era suposto! Fiz 3 lâminas para cada variedade quando deveria ter feito 6 (apesar de ao início me terem dito que era para fazer apenas 3... Enfim...!) Ou seja... Vou ter que voltar às observações e preparações de lâminas. A má notícia é que já não há raízes suficientes para fazer estas preparações, faço só as que puder. Paciência!
Miejsce Polska
Outra coisa gira que vi ontem na enciclopédia em casa da Violetta é que Daniel é o nome do Gamo em polaco! Aposto que há por aí muitos Danieis que não fazem ideia!

domingo, 6 de dezembro de 2009

Na casa da família Gawor (Alerta: Post gigante)

Acordámos cedo, tomámos banho e fomos todos cheirosos para casa da Violetta (afinal é assim que se escreve o nome dela apesar de não existir a letra V no alfabeto polaco! O_o)
Adiante, a casa fica assim nos arredores da cidade, numa zona calma. Quando entrámos fomos logo calorosamente recebidos pelo seu pai, Witek, pela mãe Maria e pelo cãozinho Ładek. À mesa falámos de tudo um pouco mas os temas principais terão sido concerteza a cozinha polaca e portuguesa, semelhanças e diferenças (tivemos grande dificuldade em explicar o que eram os chouriços e enchidos que entram no Cozido à Portuguesa, porque eles aqui não usam chouriços nem esse tipo de enchidos, é mais salsichas! lol). Falámos também de nada mais nada menos que Biologia! Eles trouxeram-nos uma enciclopédia de plantas e animais para as mãos e deu para falar bastante sobre passarada e plantas o que até calhou bem porque a mãe da Violetta também se interessa muito por plantas, tal como a Patrícia!
Enquanto eu espalhava o meu pouco conhecimento de passarada com o pai, a Patrícia identificava flores que estavam em fotografias e a mãe dizia os nomes em polaco. Falámos também nos cogumelos que ao contrário de em Portugal, não são apenas conhecidos popularmente por esse nome mas em vez disso têm vários outros (Não que eu não saiba que os nosso têm nomes mas o comum mortal não faz ideia do nome deles!), então contou-nos também que haviam casas especializadas na venda de cogumelos e que faziam testes para ter a certeza que os cogumelos não eram venenosos, já que existem uns que enganam quem não for especialista na matéria!
Naquela mesa ouviam-se três línguas a toda a hora. Eu a falar inglês com o pai dela, que já agora falava muitíssimo bem porque tinha aprendido sozinho a língua devido ao grande interesse pelas bandas de rock britânicas, a Patrícia falava em português com a Violetta e esta traduzia em polaco para a mãe.
Comemos ao almoço dois dos 12 pratos que são servidos na mesa de Natal e foram os seguintes: O primeiro era uma espécie de Bigos mas com cogumelos por isso não devia ter o mesmo nome e o segundo era uma carne enrolada com queijo e legumes lá dentro e vinha acompanhada com um molho excelente e umas bolinhas que pareciam ser de puré de batata. Para acompanhar tudo isto veio uma rica sopa de beterraba, já muito apreciada por nós. Para sobremesa foi o bolo de papoila, um que já estávamos para provar à bastante tempo e que também estava bom, acompanhado pelo tradicional kompot. Não sei se já vos falamos no kompot, uma bebida muito apreciada na Polónia que consiste em frutas cozidas em água durante algumas horas, e depois bebe-se essa água, com alguns frutos no fundo do copo. O kompot que a mãe da Violetta nos fez foi de figos secos, ao que parece no Natal o kompot costuma ser de frutos secos.
Depois de comermos, falarmos e convivermos fomos conhecer o quarto da Violetta... Que está cheio de recordações de Espanha e livros em espanhol!! Vamos ter que mudar isso! A verdade é que a Violetta já visitou Espanha, mas ainda não pôs os pés em Portugal, daí não ter nenhuma lembrança de Portugal. Apesar de tudo, tem livros em português mas poucos, muito poucos pois é muito difícil encontrar livros em português, e por isso todos os livros que ela tem da faculdade são fotocópias! Pobre coitada! Fizémos o TPC de polaco e falámos de coisas variadas. Quando demos por nós já eram 17h30, já estávamos com fomeca, e por isso a mãe da Violetta preparou-nos o jantar... É verdade, aqui janta-se a estas belas horas! Além do mais, o jantar parece mais um lanche, ou um lanche ajantarado. Comemos pão com a tal salada que a mãe da Violetta sabe fazer, algumas fatias de algo que se parecia com presunto e fiambre e chá e continuamos a falar das tradições de Natal na Polónia e em Portugal.
Enquanto estávamos no quarto, a Patrícia teve a infeliz (ou feliz!) ideia de começar a brincar a dizer que em qualquer casa polaca os convidados deviam ser servidos com vodka (coisa que a própria Violetta nos tinha dito no outro dia!). Bem não é que a Violetta foi dizer à mãe e logo a seguir já estávamos os três com copos com vodka na mão? :P Provámos três diferentes e a primeira era de longe a melhor mas mesmo assim, qualquer uma das que provámos ultrapassava à vontade a vodka manhosa que temos provado em Portugal!
Infelizmente fez-se tarde quase sem darmos conta, e por isso pouco depois tivémos que voltar para casa. Na despedida ofereceram-nos um presente a cada um! Um cd e um dvd de karaoke com músicas de natal polacas, pois aqui há o costume de se cantar músicas de natal com a família após a ceia de Natal! Gostámos muito dos presentes, e aqui fica um muito obrigado à família Gawor, que sabemos que vão ler este post com atenção! =)
Miejsce Polska
Na Polónia, segundo a Violetta, a árvore de Natal é feita apenas no dia 24 de Dezembro! E fica feita até dia 2 de Fevereiro (estou certa?). Outra coisa igualmente interessante é que hoje é dia de São Nicolau, e neste dia é costume oferecer-se um presente às crianças (as sortudas aqui recebem prenda no dia de São Nicolau e no dia de Natal!!). Para quem não sabe, São Nicolau era um homem muito rico que oferecia presentes às crianças pobres, mas às escondidas! Tal e qual o Pai Natal! =)
Pensamento do dia: Finalmente percebi de onde vem a palavra Edredon!! Bem acreditem ou não, Edredon é o nome comum polaco de um pato Êider! Ou seja, provavelmente é daqui que vêm as penas que enchem os nossos edredons e quem sabe antigamente chamar-se-iam cobertores de edredon mas com a evolução da lingua podia ter se passado a chamar apenas edredon!
O dito pato para quem se interessar. A fotografia não é minha mas seria muito bom sinal se fosse! =P

Conversas com o xôr Elias

Hoje encontrámo-nos com o Ziyad Elias, combinámos na faculdade um dia destes quando me cruzei com ele. O Ziyad escolheu um sítio mesmo na praça central que apesar de já lá termos passado imensas vezes, nunca tínhamos entrado. Era mais uma cave super antiga mas acolhedora. Ficámos lá a falar enquanto bebebíamos um chocolate-quente. Ficámos a saber que afinal o senhor é mesmo do Curdistão… mas também é do Iraque! Ora, existia o Curdistão que era uma região vasta no médio oriente e por motivos que ainda não compreendemos, os ingleses ou americanos ou algo assim do género, separaram aquilo tudo na primeira guerra mundial vá-se lá saber porquê e os países que anteriormente faziam fronteira com o Curdistão, ficaram com bocados dele por isso, os curdos ficaram espalhados por imensos países e parece que só no Iraque e no Irão é que são aceites como uma minoria. Já na Turquia, os curdos são proibidos até de falar a sua língua… Falámos também da cultura lá e parece que um homem só pode sair de casa (sair da sua família) se for casado, ou seja, sai de uma família e vai para outra. Também disse que existem florestas e montanhas no Iraque e nós claro que dissemos que para nós aquilo era só deserto :P Ele fartou-se de dizer que era parecido com Portugal mas não ficámos lá muito convencidos porque depois também disse que tinham florestas onde haviam tigres. Como ele é geólogo não sei se devo confiar na sua palavra mas por outro lado, saberá muito melhor que eu o que há no seu país. Já quando estávamos cá fora, a Patrícia perguntou como era a segurança lá e ele disse-nos que os bombistas só apareceram depois da queda de Sadam Hussein, ou seja, eram pessoas ligadas ao seu regime que tinham tudo e de repente ficaram sem nada e sem forma de ser aceites na sociedade. Achei isto muito estranho porque não percebo como é que rebentar coisas os vai ajudar mas paciência!
Miejsce Polska
Agora com o Natal à porta é comum ver-se pessoas a usar barretes de Pai Natal na rua, em vez dos barretes "normais" a condizer com a roupita... O curioso é que parece que é perfeitamente normal usar o barrete de Pai Natal na rua, ou seja, toda a gente ignora! É só mais um barrete... E as pessoas usam-no como se nada fosse!
Ok, não é nada de especial! Mas convenhamos que em Portugal ninguém sai para o trabalho ou para a faculdade com um barrete de Pai Natal =P
Pensamento do Dia:
"Life is a train", ou "A vida é um comboio", dizia o Ziyad durante a conversa que tivémos! Para ele a vida é um comboio, ou seja, leva-o para muitas estações diferentes, cidades, países... Para ele o importante é sair na próxima estação e conhecer os outros mundos diferentes daquilo que ele conhece, conhecer pessoas novas e partilhar culturas. Viajar... Concordamos plenamente com ele, claro!

sábado, 5 de dezembro de 2009

More muffins!

Pelas 9:30 já estávamos na aula de polaco mas em vez da Kasia começar a matar com as perguntas do costume, entregou e corrigimos todos o teste. A Patrícia sacou 5 (a nota máxima!) e eu consegui um 4,5 por isso foi muito bom! Aprendemos os números 200, 300 até ao 1000. Ainda se lembram quando tivemos que aprender isso na escola? Eu lembro-me e fiquei muito feliz e achei-me “crescido” quando já sabia fazer contas com números “grandes” :P
À saída da aula dissemos que íamos comer o nosso rico precel e não é que o Marcus (um dos alemães) diz que o precel é uma imitação do semelhante brezen alemão… e que era apenas um “funny looking bread”. Bem, fiquei mesmo boquiaberto por estar a ouvir uma coisa daquelas e em vez de intervir achei que poupava tempo e disse, enquanto me afastava, que não ia discutir uma coisa dessas.
Na faculdade fui falar com o Mariusz (o meu coordenador) para lhe contar como tinha corrido o encontro com o suposto expert de vocalizações e fiquei a saber que ele julgava que eu era aluno de mestrado… O que explica terem-me dado isto das vocalizações e não me terem acompanhado como deviam. Mas paciência! Está a correr bem, só não sei se vou ter tudo pronto a tempo!
O jantar foi tudo o que encontrámos de verduras no frigorífico e umas salsichas para dar proteína. Ficou mesmo muito bom e levou-me a crer que tudo fica bom e parece fino se levar azeite e pimenta ou algumas especiarias aleatórias.
Hoje fiz bolinhos! Voltei a fazer bolinhos de chocolate! Na cozinha, encontrei o nosso vizinho da Palestina, que estava a fazer um café. Meti conversa, e ele ofereceu-me café. Era bastante bom, porque não era polaco! Na verdade era uma mistura: café arábico, turco e polaco! Sabia bem! Quando fui devolver a caneca, claro levei-lhe um bolinho de chocolate em agradecimento e ele convidou-me a entrar no quarto (tive que me descalçar!), e por lá ficámos a falar! Pareceu-me que ele estava a rezar quando entrei no quarto, mas ele reagiu como se nada fosse! Ele está a estudar Estudos Internacionais e por isso interessa-se muito pelas culturas e pelas pessoas, e faz questão de mostrar coisas da sua cultura, com muito orgulho!
Pensamento do dia: Portugal em Árabe, segundo o palestiniano significa "laranjas", somos muito conhecidos pelas laranjas ao que parece! =P

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

New Moon

Hoje enquanto a Patrícia estava na faculdade a avançar com a introdução eu estava por aqui a tentar riscar mais um macho da lista. O dia decorreu assim sem nada de mais até às 18h quando fomos ter com a Wioleta para ver o New Moon (aquele filme de romance com vampiros). Fomos ao Kijów e por isso julgávamos que íamos ficar novamente naquela sala gigantesca mas em vez disso ficámos numa sala minúscula! Só para terem ideia a sala tinha 6 filas e cada uma com apenas 5 lugares! Muito pequena mesmo mas apesar disso gostámos muito do filme!
Miejsce Polska
O mais incómodo durante o filme foi a reacção da assistência! Não havia absolutamente respeito nenhum pelos outros espectadores! Falavam, faziam barulho, riam de cenas sem piada, aliás, gozavam com as cenas românticas... E como se trata de um filme romântico, podem imaginar a quantidade de vezes que houve gozo! O que é bastante incómodo, diga-se de passagem. No final do filme, comentámos isso com a Wioleta, claro! Eu pelo menos estava bastante indignada com a falta de respeito! A Wioleta disse-nos que havia muita gente que para se mostrar “superior” aos filmes ou músicas comerciais, gozavam com isso, e portanto (neste caso) iam ao cinema gozar com o próprio filme! No fundo, pensamos que essas pessoas também gostam do filme (afinal pagaram um bilhete para irem vê-lo), mas querem mostrar que são mais intelectuais e que não gostam de coisas comerciais. Ou seja, gente parva que tem vergonha de admitir que gosta, e que não respeita que os outros gostem! Por outro lado, a Wioleta também nos disse que os homens polacos são pouco românticos e só fazem elogios às mulheres quando a coisa é realmente séria (quando estão “louco”, palavra da Wioleta). Ou seja, qualquer coisa romântica que é dita no filme é exagerado e por isso provoca gozo, porque na vida real não há esses elogios românticos. Conversa puxa conversa, fomo-nos apercebendo que os homens polacos além de pouco românticos, são muito tímidos e têm vergonha de dar o primeiro passo nas relações. Como ainda é mal visto serem as mulheres a dar o primeiro passo, não sei como é que este pessoal faz...! Só para terem uma ideia, parece que é muito popular os homens escreverem na net (se bem percebemos, é algo que se parece com um site de anúncios) algo, como por exemplo: “Hoje vi-te no autocarro nº 192, estávas com umas calças de ganga e um casaco preto”. Algo deste género, para a rapariga ou mulher se identificar e responder através desse site, visto que os homens são demasiado envergonhados para o fazerem directamente! Achámos isto completamente estranho e absurdo, mas parece que eles se entendem assim! =P Outra coisa que reparámos depois é que raramente vemos casais de namorados, e quando vêmos não dá para ter a certeza se são namorados ou não, pois são tão mas tão discretos que podiam passar perfeitamente por dois amigos!
Pensamento do dia: Finalmente um Miejsce Polska (e desta vez maior do que todo o post! =P)! Pensávamos que já não iriamos ter mais nada minimamente interessante para contar sobre o povo polaco!

Encontro com o Wojciech Bielanski

Então hoje ficou combinado eu encontrar-me com um sujeito que também estava a analizar vocalizações. Ele era todo "despaxado" e quase que me esmagava a mão ao cumprimentar-me, mas não disse aquilo que eu queria ouvir. Ora o que eu (acho que) queria ouvir era algo do género: Faz isto, não faças aquilo.
Ele fez justamente o oposto e disse: Sim, podes fazer isso. Mas também podes fazer aquilo!
Para quem nunca fez nada com análise de vocalizações de melro, disse a coisa certa claro, mas mesmo assim tinha alguma esperança que ele me fosse orientar no caminho certo.
Mas atenção, não pensem que foi tempo perdido! Agora em vez de tentar determinar o número total de sílabas vou antes ver quantas sílabas novas é que contém após ter contado 300 sílabas. É que pensamento bem, quero lá saber do número total de sílabas! O que sempre me interessou era ver qual o macho "melhor" ou seja, supostamente, com o reportório de sílabas maior!
Ele também apoiou a minha ideia maluca de tentar classificar sílaba a sílaba com base num quadro infantil que inventei. O apoio dele fez-me pensar que realmente a minha ideia não é assim tão infantil e que pode realmente funcionar e até dar informação importante por isso a seguir ao reportório, provavelmente vou fazer isso!
O resto do dia foi na mesma como a lesma com a excepção que fomos convidados para um saída de campo para observar aves num lago aqui nos arredores da cidade! :D Iremos sexta dia 11 e voltamos no domingo, por isso estou com altas expectativas para este evento! Era fixe se conhecemos mais malta de biologia porque praticamente já conhecemos pessoal de todas as áreas menos dessa!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Exame oral!

Não se preocupem connosco! O teste oral correu bem! =) Tivémos a nota máxima! =D ...Na verdade, correu bem a toda a gente já que todos tiveram a nota máxima, o que acaba por ser um pouco injusto para os melhores em relação aos piores. Mas que importa? Tivémos nota máxima na parte oral do teste, agora resta saber o que nos reserva a parte escrita do teste... O dia foi passado de uma forma bastante sem-graça. A manhã foi toda ela a estudar para o teste oral (estudar leia-se, empinar a nossa apresentação), e depois do teste e da aula, fizémos umas comprinhas rápidas e voltámos para casa. Amanhã vou me encontrar com um sujeito que supostamente percebe de vocalizações e deve conseguir ver se estou a fazer tudo mal e tenho que repetir tudo desde o início ou então está tudo bem e é para continuar! Esperemos que seja o último caso claro!
Pensamento do Dia: Fazer o reportório de cada macho é impensável só para uma pessoa. Eu ando à umas semanas a fazer o reportório de dois machos! E são 27 no total por isso esta porcaria nunca mais tem fim! Acho que me vou mas é dedicar a outra faceta dentro das vocalizações como o número de sílabas ou algo assim!

Ultimo dia com os meus pais em Cracóvia

Hoje de manhã os meus pais e o meu irmão vieram conhecer a residência e o nosso quarto. Por isso quando acordámos, demos uma arrumadela e uma limpeza ao quarto (não é todos os dias que temos visitas!). Pouco depois, eles chegaram para uma visita rápida às instalações e deixaram-nos estudar para o teste que decorreu da parte da tarde. Estudámos durante o resto da manhã, e depois seguimos para a escola de polaco! O teste correu-nos bem, agora só falta saber se as nossas professoras partilham da mesma opinião! Depois do teste, voltámos a encontrar-nos com os meus pais, e fomos até ao bairro judeu experimentar a famosa Zapiekanka (eles não podiam sair de Kraków sem experimentá-la!) e regressámos ao centro. Às 20h assistimos a um concerto de música clássica na belíssima igreja barroca de São Pedro e Paulo, as Quatro Estações de Vivaldi. O grupo era constituído por 2 violinos, uma viola de arco, um violoncelo, um contra-baixo e um cravo. Gostámos muito, mais uma vez, tanto da música como do cenário lindíssimo por trás. Depois do concerto, tivémos tempo ainda para irmos a um bar típico da cidade, daqueles que ficam na cave! Tomámos chá e chocolate quente, conversámos, tirámos algumas fotos e depois fomos com eles para o hotel, onde nos despedimos. O tempo passa a correr! Amanhã de madrugada já se vão embora, mas o mais importante é que vieram e que gostaram! Daqui a nada estamos de volta a Portugal!
Pensamento do Dia: A Kasia é maluca.
(isto porque depois do teste, a prof deu-nos uma aula intensiva onde supostamente aprendemos os nomes dos alimentos e ainda tivémos que responder a uma data de perguntas e conjugar uns verbos marados que nem saíam para o teste!)

domingo, 29 de novembro de 2009

Auschwitz

Hoje fomos aos campos de concentração de Auschwitz e Birkenau situados na cidade de Oświęcim. Durante a viagem de autocarro que dura cerca de 1h15 é nos mostrado um video feito por um cameramen soviético durante a liberação do campo de concentração e aí já vamos sendo preparados para o que haveriamos de ver lá. Auschwitz 1, o primeiro campo que vimos está transformado num museu e muitas das instalações foram reconstruidas depois dos nazis as terem tentado destruir ao tentarem apagar as provas dos crimes que cometeram. Bem, nem sei bem por onde começar... Basicamente foi dito aos judeus que seriam realojados noutro lugar e que deviam levar 25kg de bagagem. Como é que se pode levar todos os pertences importantes com um limite de 25kg? Não se pode, por isso eles levavam apenas o que lhes era mais valioso como as jóias da familia e levavam coisas básicas como pentes, sapatos, roupa, etc. Ao impor este limite de 25kg, os nazis conseguiam que os próprios judeus fizessem uma escolha e trouxessem voluntariamente o que era mais valioso só para que depois lhes fosse roubado.
Mas não chegavam ao campo apenas judeus mas também prisioneiros de guerra soviéticos e ciganos.
No museu em Auschwitz estavam fotografias e maquetes que ilustravam o que se tinha passado ali e no campo vizinho de Birkenau (também chamado de Auschwitz 2 - com muito piores condições que o primeiro campo de Auschwitz 1) Ao chegar todos eram examinados exteriormente e eram enviados ou para a esquerda ou para a direita. Os velhos, fracos, doentes, as crianças, as mulheres grávidas, todos os que não podiam trabalhar eram enviados para a direita, directamente para as câmaras de gás. Os outros que podiam trabalhar seguiam para a esquerda e eram postos em condições miseráveis. Sinceramente miseráveis nem descreve nada daquilo ... Então, todos eles trabalhavam o dia inteiro nas minas de carvão e à noite tinham que lutar pelo seu lugar nas barracas que tinham estes andares com palha.

Em cada um destes andares os prisioneiros, uns autênticos esqueletos ambulantes, amontoavam-se, às vezes até 15 por "cama". Os que tinham força para lutar pelos lugares de cima eram os priveligiados porque os que ficavam em baixo não só levavam com os excrementos dos de cima (devido a incontinência provocada por diversas doenças) como também corriam o risco de serem atacados por ratazanas que segundo as testemunhas, eram tão grandes como gatos e mordiam a cara das pessoas que já não tinham forças para lutar, desfigurando-as. Devido a este facto, os nazis deixaram de fotografar as caras das pessoas a partir de certo ponto porque eram irreconhecíveis...

Outra coisa que me chocou imenso foi ter visto os pertences que tinham sido roubados dos judeus. Haviam salas inteiras com milhares de sapatos, milhares de pentes, milhares de tudo... A pior de todas era mesmo a que tinha uma montanha de cabelo. Tanto mas tanto cabelo que nem dá para imaginar os milhares de pessoas que foram mortos ali. O cabelo era mais tarde usado para fabricar meias para os militares nos submarinos, entre outras coisas.

Foi também em Auschwitz 1 que se fizeram os testes para ver qual seria a forma mais economicamente rentável de matar pessoas em massa. O veneno escolhido foi o zyclon B, um composto químico usado anteriormente para desinfectar as barracas e que mais tarde descobriram que quando a temperatura ambiente subia acima de um certo valor, começava a libertar uns gases que sufocavam e acabavam por matar. Como a temperatura tinha que ser acima de certo valor, os prisioneiros eram enviados às centenas para as câmaras de gás com a promessa que íam tomar um duche. Quando estavam centenas de prisioneiros fechados às escuras dentro das câmaras de gás, o seu próprio calor corporal activava a reacção e em 20min estariam todos mortos...

Outra coisa que me chocou foi os castigos doentios que eram dados lá. Se por algum motivo, alguém conseguisse escapar de uma barraca, 1/10 dos prisioneiros seria imediatamente morto como forma de impedir que alguém tivesse sequer vontade de fugir. Por exemplo, quem ajudasse um prisioneiro condenado à morte por fome tinha que passar 9 dias descalço lá fora, na neve. Isto para homens e mulheres que pesavam 1/3 do peso (ou seja, no caso das mulheres uns 20kg e nos homens uns 30kg) era morte certa e os que sobreviviam ficavam com gravíssimas queimaduras nos pés e morreriam depois.

Bem, podia continuar a contar os crimes que lá decorreram mas não vale a pena e acho que já contei que chegue.

Pensamentos finais: Como é que aconteceu isto em pleno século 20?? Estavamos a falar de pessoas com vidas normais, eram professores, médicos, advogados! Tinham familias, sonhos, eram pessoas como nós mas foram todas massacradas e ninguém conseguiu impedir! Revolta-me imenso que ninguém tenha conseguido impedir o que lá se passou....

Agora que já me vim embora e penso no assunto acho que o lugar tem qualquer coisa estranha que só dá vontade de nunca mais lá voltar apesar de ter lá estado com imensos turistas.

sábado, 28 de novembro de 2009

Passeando pela Cidade

Começámos o dia por irmos comprar os bilhetes para a visita a Auschwitz que faremos amanhã e depois fomos pela rua Grodzka até à Wawel (o castelo). Comprámos os bilhetes e fomos ver o armamento e o tesouro. No armamento o que gostei mais foi as pistolas porque havia tanta variedade! Havia umas que eram pequenas e estavam escondidas numa espada, ou seja, podiam ser perfeitamente usadas de surpresa para enfraquecer um adversário que não estivesse preparado e depois terminar o confronto com a espada propriamente dita. Depois havia as que eram enormes e pareciam uns pequenos canhões (ou snipers) que concerteza não tinham sido projectadas para serem transportadas pelos soldados a pé.
Depois de vermos o tesouro e todas aquelas peças de ouro fomos almoçar a um restaurante tradicional. Escolhemos o básico (achamos nós) da comida polaca e estava tudo muito bom, comemos Bigos, Pierogi, a sopa de beterraba com croquete, entre outras coisas qué já não nos lembramos do nome! No final pedimos ainda sobremesa, mas não agradou a todos! Depois do almoço fomos visitar os principais da nossa Universidade, o Collegium Maius (o edifício mais antigo) e o Collegium Novum (mais recente, e o principal edifício da Universidade de Jagiellonian). Regressamos depois à praça principal, que agora está toda decorada com enfeites de Natal, e com barraquinhas de Natal, com comes e bebes, comida tradicional e alguns souvenirs e outras coisas para oferecer à venda!
Por fim, encontrámo-nos com a Wioleta! Fomos a um bar muito acolhedor e agradável (na verdade já o conheciamos, e gostámos imenso!) Tem um ambiente muito especial à luz das velas, e parece uma autêntica estufa, tudo em vidro, parece que estamos numa esplanada, mas sem o frio! Parece perfeito! Lá bebemos chocolate quente, e o meu pai provou o vinho quente, cheio de especiarias! Falámos durante bastante tempo na conversa, e fica aqui uma foto do ambiente do estabelecimento
O dia acabou em irmos comer um Kebab como jantar, e depois regressámos aos nossos aposentos, onde esperamos estudar polaco ainda um pouco para o teste de segunda!
Miejsce Polska
Durante a conversa com a Wioleta, ela voltou a falar-nos das tradições aqui na Polónia. Parece que aqui, quando se recebem visitas em casa deve ter-se sempre uma garrafa de vódka para o convidado beber! É uma questão de tradição e não de boa-educação! Quando se recebe visitas, há que ter a garrafinha pronta!
Ah, e mais uma coisa, os homens devem beber o copinho de vódka de uma vez só, caso contrário... Digamos que não são considerados homens "a sério" =P

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

O dia das línguas e a chegada dos meus pais! =)

Hoje o dia foi marcado por dois importantes acontecimentos, mas comecemos pelo início! Depois da nossa aula de polaco (a última antes do teste), fomos a uma festa que a Wioleta nos tinha falado ontem, a festa das línguas! Segundo ela, uma polaca iria cantar fado em português, e claro que não queríamos perder isso por nada!
Quando lá chegámos, vimos a barraquinha de Portugal e do Brasil a representar a língua portuguesa...
... Cheia de caras conhecidas
Aqui connosco está o Dawid, a Kasia (a baiana de serviço) e o Tomek!
Gostámos muito desta festa, havia barraquinhas representativas das várias línguas, a mostrar um pouco da cultura de cada um dos países. Depois cada país fazia a sua apresentação, no caso do português tivémos uma polaca a cantar o fado (mais abaixo) e depois uma rápida apresentação de slides com fotografias de Portugal e do Brasil e com samba como música de fundo!
A iniciativa foi muito interessante, e foi com muito gosto que vimos uma barraquinha a representar a nossa língua e o nosso país. Só houve uma coisa mal! Muito mal!! Os petisquinhos! Como é? Não havia nada tradicional português! Mas também nós conseguimos compreender...
Durante a festa, conhecemos uma portuguesa da Figueira da Foz (a primeira portuguesa que conhecemos aqui na Polónia!) que está cá a trabalhar e um brasileiro, o Denis, com o qual ficámos a conversar durante muito tempo.
E aqui está o famoso vídeo:
video
Vá lá, confessem! Para além de cantar muito bem engana toda a gente! Ela é polaca, acreditem! lol É pena, não lhe chegámos a perguntar o nome, só lhe perguntámos se ela era de facto polaca lolol O outro acontecimento importante foi que os meus pais e o meu irmão chegaram hoje ao final do dia a Cracóvia para nos visitarem, e claro, para conhecerem a cidade! Deu tempo para dar uma volta rápida ao Rynek (centro histórico) e comer numas barraquinhas de Natal que por lá estavam! Amanhã há mais! =)
Miejsce Polska
Na nossa aula, a professora pôs-nos a fazer um exercício que consistia em preencher espaços em branco de um texto que era a letra de uma música muito popular por estas bandas. Claro, que no final tivémos que cantá-la! =D A música fica no ouvido, e por isso decidimos partilhá-la convosco (na verdade, a música não me saíu da cabeça o dia todo!! =P) Aqui vai ela: http://www.youtube.com/watch?v=pry6OyNxY3M

Conversas na Casa de Chá

Os zebra finches acabaram hoje. A Justyna agora só deve precisar da minha ajuda em Janeiro para uma outra experiência. É curioso que quando realmente nos começámos a dar bem e a falar sem vergonha é quando as coisas acabam. De qualquer forma gostei muito de trabalhar por lá.
Depois da faculdade fomos encontrar-nos com a Wioleta que tinha voltado da Roménia. Ficámos a falar e a treinar polaco numa casa de chá que ela conhecia. A decoração era fantástica, com aquários de água doce, salgada, terrários, estava lá de tudo um pouco.
Amanhã vai haver uma festa com as línguas de todo o mundo e a Wioleta disse-nos que uma senhora polaca iria cantar fado em português por isso vamos levar a máquina de filmar para tentar captar esse momento incrível! Amanhã também chegam os pais da Patrícia que vêm cá conhecer a cidade e passar uns dias.
Pensamento do Dia: A câmara anecóica apartir de hoje chama-se a sala Toblerone com chão de casca de abacate. (Um dia volto lá e fotografo para perceberem porquê mas tenho a certeza que conseguem imaginar)

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Zebra finches

O dia foi quase só trabalho e por isso foi bastante pouco interessante e foi passado quase só a apanhar zebra finches para os tentar gravar a cantar. Portanto passei a manhã e a tarde na câmara anecóica com a Joustyna mas ao contrário das outras vezes em que passávamos quase todo o tempo calados e a desesperar silenciosamente por dentro (porque não podemos falar durante as gravações) hoje fartámo-nos de falar sobre tudo e mais alguma coisa! Gostos de musica, filmes, jogos, animais, experiências passadas, nomes em Português, tradições , geografia e cultura portuguesa, etc!
Gozámos com os tentilhões machos que não cantavam, enfim, apesar de tudo, foi um dia bem passado e só para terem uma ideia, começámos às 9 e acabámos às 16:30 e só cantaram 7 machos dos 14 que eram suposto cantar! É simplesmente muito difícil encontrar um par certo entre macho e fêmea (suponho que o mesmo se passa connosco).
Pensamento do Dia: No meio da demência forgei algo a que chamei a "crazy technic"....
A crazy technic é uma técnica secreta usada para apanhar os zebra finches com a rede e é tão eficaz quanto mais crazy fôr a pessoa que a usa!
x=2y+z onde x=sucesso de captura do zebra; y=nível de craziness; z=pouca paciência pela saúde e bem estar dos zebras

Opinião da Dorottya

Hoje ficámos os dois por casa cada um a tratar dos seus afazeres. O dia passou normalmente com a aula de polaco e tudo isso mas o que realmente o marcou foi a conversa que tivémos com a Dorottya, a nossa colega húngara das aulas de polaco. Ela é muito patriota e contou-nos o seu ponto de vista sobre o que aconteceu depois do fim da primeira guerra mundial, ou seja, o Império Austro-Húngaro foi repartido por imensos países de acordo com o tratado de Versalhes e agora era apenas um terço do que tinha sido. Então parece que famílias foram separadas e existem imensos húngaros nos países que fazem fronteira com a actual Hungria. Devido a esta dissolução do império que aconteceu apenas em 1918 (é incrível como tudo isto aconteceu ainda "ontem"!) existe ainda muitas tensões entre os países que surgiram e ficaram com nacos dos húngaros como foi o caso da Eslováquia.

Mapa com o antigo Império Austro-Húngaro

Claro que esta foi a opinião dela e de certeza que para conhecermos a verdade do que realmente aconteceu (se tal é possível) seria preciso ouvirmos a opinião de Eslovacos por exemplo.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Praga

Sábado
A noite de sexta para sábado foi passada no comboio e correu muito bem porque conseguimos ocupar estrategicamente uma cabine onde nos trancámos e por isso dormimos lá em segurança. Pelas 6:58 estávamos em Praga, e depois de levantarmos dinheiro checo e percebermos que afinal o nosso hotel não era onde nós pensávamos, fomos para a Praça Central onde era o meeting point da nossa visita guiada. O meeting point era mesmo muito perto do Relógio Astronómico, um dos pontos turísticos mais famosos de Praga. A visita começava às 10h00, mesmo a tempo de vermos o relógio a tocar.
O nosso guia era o Tom, jovem, muito natural, extrovertido e mostrava imenso interesse e orgulho na cidade que nos apresentava. O grupo era pequeno como convém, sendo formado apenas por nós e um casal de japoneses. Durante a visita guiada ficámos a conhecer um pouco da cidade, a Ponte Carlos, o rio (através de um passeio de barco), o bairro judeu, os sítios "in" e o castelo. A visita guiada incluía ainda um almoço tipicamente checo, que na nossa opinião não era nada de especial. Durante a refeição aproveitamos para nos conhecer um pouco melhor e como não podia deixar de ser falámos de Animé e basicamente a japonesa ria-se de todos os animés que eu tinha visto... Não sei muito bem porquê!
Depois da visita, o Tom ajudou-nos a encontrar o nosso hotel e, entre outras coisas a comprar os bilhetes de eléctrico que se adquiriam nuns quisques muito bem escondidos! Por isso se não fosse ele, nunca os teríamos conseguido comprar!
Depois de jantarmos, voltámos ao centro para uma visita guiada nocturna, chamada Haunted Prague (Praga Assombrada). Esta visita foi dada por um escocês vestido com uma capa negra e transportando uma lanterna para criar ambiente. Embora o grupo fosse muito maior, ele conseguiu pôr toda a gente à vontade e a rir, contanto várias histórias que geralmente se podiam resumir a: Pessoa que tem morte horrível e o seu fantasma anda por aí e quem interage com ele acaba por sofrer as consequências...!
Domingo
Acordámos cedito e fomos comer o pequeno-almoço de uma forma selvagem, ou seja, comer de tudo um pouco porque não se paga mais por isso! Depois de apanharmos um eléctrico qualquer, saímos numa paragem perto do Metrónomo gigante e fomos lá vê-lo.
De seguida passámos pela Ponte Carlos e comprámos umas coisinhas giras e baratas que por lá se vendiam. Um gancho de cabelo em forma de folha para a menina e um íman de um guarda-rios para o menino.
Fomos para o centro, visitámos a torre do Relógio Astronómico, apreciámos a vista sobre a cidade e mais uma vez assistimos à sua grandiosa exibição! Lol Almoçámos, fomos à rua mais movimentada da cidade, e passeámos no castelo durante a noite. Pela cidade é possível vermos alguns animais ou símbolos esculpidos nas paredes das casas. A explicação é simples, antigamente quando as casas não tinham números e as pessoas desconheciam nomes de ruas, a forma de identificar as casas onde ficavam hospedadas era através destas imagens, por exemplo: “Estou hospedado na casa da Ferradura dourada”
Mas existem imensos, como o Leão vermelho, o Urso preto, a Chave dourada, a Águia preta, Etc! O caminho até ao castelo tem óptimos exemplos destes!
Praga é sem dúvida uma cidade muito bonita, ficámos com pena de não termos tido tempo de visitar tudo o que queríamos, mas numa cidade tão grande e tão cheia de coisas para ver e conhecer, o saldo é positivo! Conhecemos imensa coisa em tão pouco tempo, claro que soube a pouco e ficámos com vontade de voltar!

video

video

Miejsce Czech
1- São ainda mais hipocondríacos que os polacos: as farmácias são autênticos supermercados! Nunca vimos tal coisa, há carrinhos de supermercado nas farmácias, acreditem ou não. Só temos pena de não termos nenhuma foto a provar. 2- Comprámos postais, comprámos selos, escrevemos nos postais, mas não os colocámos nos marcos do correio. Porquê? Porque não encontrámos! Nunca nos tinha acontecido tal coisa, não vimos nenhum pela cidade. Na principal estação de comboios (onde existem sempre marcos do correio!) também não havia... Conclusão, regressámos a Cracóvia com os postais nas mochilas! 3- A rede de transportes públicos é óptima em Praga. Existem autocarros, eléctricos e metro pela cidade toda. O problema é mesmo comprar bilhete! Para comprar bilhete é preciso procurar uma tabacaria que os venda, que nem sempre estão abertas. Conclusão: Tivémos que viajar à pica quase todas as vezes!
Pensamento do Dia (de hoje):
Tivémos aula de polaco hoje, na qual a nossa querida professora Kasia nos informou que teríamos teste na próxima segunda-feira... Desejem-nos sorte!!